Uncategorized

7 dicas para estimular a criatividade em sua empresa

Inovação e criatividade são essenciais para qualquer negócio que queira se manter vivo. Em um mundo cuja competitividade nunca foi tão grande, é preciso saber fazer diferente para sair da névoa em que estão a maioria das empresas e se destacar. Isso vale para criar novos produtos, novas formas de comunicação ou até para encontrar soluções para problemas do dia-a-dia.

Por exemplo, não basta mais que um restaurante tenha ótimos pratos e bom atendimento para que o cliente volte. Talvez o que vai fazer diferença são detalhes como uma brinquedoteca segura ou carregadores de celular em cada mesa. Apesar de parecer simples, para que soluções assim (que atingem, de fato, o cliente) surjam, é preciso direcionar a cultura da empresa à inovação. Pensando nisso, aqui vão sete dicas para estimular a criatividade da sua equipe:

1. Invista no espaço físico:
Espaços confortáveis, coloridos, lúdicos e que permitem a interação entre grupos, o descanso e a diversão, podem contribuir com a criatividade. Várias empresas estão reformando sua sede, criando ambientes parecidos com aquelas reconhecidamente mais criativas, como Google e Facebook. O uso de cores, post-its, paredes que imitam quadro giz, ambientes de recreação, salas de reunião do tipo aquário, reuniões ao ar livre geram novos estímulos que aumentam as chances de gerar novas ideias. Mas, cuidado: o ambiente físico, por si só, não é condição suficiente para garantir que a criatividade ocorra.

2. Crie uma cultura livre de punições:
Caso as pessoas tenham medo de punição ao gerar novas ideias, nunca tenham suas ideias implementadas ou ao menos um feedback que explique porque suas ideias não foram aceitas, pouco vai resolver ter um ambiente físico colorido e inovador. Deve existir uma abertura para que o profissional consiga sugerir novos projetos, novos produtos, novos processos, novas ideias de forma geral, garantindo que essas ideias sejam realmente ouvidas. O profissional sentirá que suas opiniões importam e que tem valor para a organização, mesmo que ao final a ideia não seja implementada ou não dê certo.

3. Invista em treinamentos:
É possível desenvolver o pensamento criativo da equipe por meio de treinamentos formais sobre técnicas como o brainstorming, técnicas para solução de problemas ou para o desenvolvimento de pensamento divergente. As metodologias ativas, nesse caso, são altamente recomendáveis. Ainda, deve-se investir em treinamentos relativos à área de atuação de cada profissional, para aumentar sua capacidade de combinar as técnicas de criatividade com os conhecimentos emergentes de cada profissão.

4. Tenha líderes que inspiram:
Dependendo de suas características psicológicas, de seus comportamentos, de seu grau de influência e da forma com que conduzem o relacionamento com sua equipe, os líderes podem contribuir com o aumento ou decréscimo do potencial criativo da organização. Os líderes que conseguem desenvolver um ambiente que estimula a criatividade costumam ter algumas características: conhecimento e experiência em sua área de atuação, alta capacidade de solução de problemas, influência social positiva, habilidades sociais, tais como, comunicação, persuasão, inteligência emocional e social e capacidade de atuar como mentores, garantindo suporte emocional à sua equipe.

5. Garanta que exista desafio, liberdade e autonomia.
Para garantir a dose certa de desafio, o líder deve designar as tarefas certas para as pessoas certas, de acordo com a característica da tarefa e da pessoa, para que a tarefa não seja muito fácil, nem muito difícil. Quando os funcionários precisam gerar soluções para problemas com os quais são se identificam ou que consideram muito simples, tendem a ficar desmotivados. Quando a tarefa está acima de sua capacidade, tendem a desanimar e desistir. A liberdade envolve dar aos liderados a autonomia para realização das tarefas. Para isso, é necessário ter objetivos claros e bem definidos, bem como quais são os critérios de avaliação para identificar se eles foram realmente alcançados. Caso o gestor interfira o tempo todo na tarefa ou mude os objetivos sem critério, a autonomia e a liberdade ficam comprometidas.

6. Defina critérios
A empresa precisa garantir que os funcionários tenham clareza dos recursos existentes para realizar a tarefa e de qual é o tempo disponível para realização do projeto. Além disso, a equipe precisa saber qual o orçamento disponível da forma mais clara possível. Um orçamento muito apertado pode fazer com que a equipe deixe de gerar ideias para solucionar o problema e passem a gerar ideias para gerar recursos adicionais e conseguir executar o projeto. Sem critérios bem definidos, o grupo fica perdido e perde sua capacidade de julgar objetivamente as melhores soluções.

7. Cuide do feedback
A equipe precisa saber se está indo bem e, caso não esteja, precisa saber o que melhorar. O feedback não deve ser focado em controlar o indivíduo ou em criticá-lo, mas em ajudá-lo a desenvolver suas capacidades e entender pontos de melhoria. A frequência irá depender de cada grupo e do ritmo do projeto, mas recomenda-se que aconteça pelo menos uma vez na semana. Deve-se ter cuidado para que o feedback se refira à ideia e aos resultados alcançados, garantindo que os funcionários tenham informações, dados e fatos que os ajudem a aprender e aprimorar seu trabalho.

Sem dúvidas, a criatividade é uma das mais importantes habilidades do profissional do futuro, pois é matéria-prima para a inovação e pode garantir a sobrevivência do negócio. Por isso mesmo, deve-se buscá-la de maneira intencional. Empresas não se tornam criativas por acaso. Elas investem em pessoas. Do jeito certo.

Co-fundadora e diretora da Sempreende. PhD researcher (UnB) em Ensino de Empreendedorismo. Mestre em Empreendedorismo e Inovação pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Pós-graduada em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Facilitadora certificada da metodologia Lego® Serious Play®. Experiência de mercado como empreendedora no ramo de alimentação e consultora na Shell Brasil. Revisora da Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. Consultora e facilitadora de programas de Empreendedorismo no Centro de Empreendedorismo e Incubação da UFG (CEI/UFG), Incubadora 3D (Prefeitura de Aparecida de Goiânia), Aldeia Incubadora (Uni-Anhanguera), UnIncubadora (UniEvangélica), Proin (UEG), Incubadora Athenas (UFG/Catalão), Incubadora Beetech (UFG/Jataí) e PUC Incubadora (PUC/GO). Já capacitou professores para o Empreendedorismo no Senac-GO, Senai-GO, UFG, Uni-Anhanguera e UniEvangélica.

0 comentário em “7 dicas para estimular a criatividade em sua empresa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: